Ex pode ter direito ao patrimônio mesmo em caso de separação total de bens

Quando um casal opta pela União Estável ou pelo Casamento precisam escolher o regime de separação de bens, que são: comunhão parcial de bens, comunhão universal de bens, separação total de bens e participação final nos aquestos. Muitos casais escolhem a separação total de bens, onde o patrimônio pertence somente ao nome de quem está vinculado. Porém, conforme a súmula 377 do Supremo Tribunal Federal (STF) os bens adquiridos durante a união podem ser partilhados.

 

Casar em regime de separação total de bens significa que não há direito algum sobre o patrimônio do cônjuge?

Na separação do casal um não terá direitos sobre os bens do outro caso não houver participação direta ou indireta no acréscimo patrimonial.

 

Como funciona na prática?

O cônjuge que não tiver o patrimônio em seu nome deve buscar a participação proporcional sobre o acréscimo patrimonial em que teve participação direta ou indireta. Só não tem direito sobre o que já era do companheiro (a) antes do casamento ou se não houve participação sobre o que foi construído depois. Se uma parte tem uma profissão e a outra ajuda direta ou indiretamente, como a maioria dos casais costumam fazer, ambos tem direito à participação, sim.

 

Quando não há esse direito?

Quando não há qualquer participação na composição do patrimônio após o início do vínculo ou sobre os bens que já eram de propriedade do cônjuge. Pode-se citar a título de exemplificação os casos em que tanto o homem como a mulher trabalham, não existindo qualquer tipo de cooperação mútua entre o casal, sem qualquer colaboração na atividade do outro.

 

Por que a mulher costuma ser a parte mais prejudicada?

Um exemplo de caso que geralmente ocorre é a mulher após vinte anos de casada, que deu todo suporte emocional ao homem durante o período termine a relação sem nenhum direito. Ela, que cuidou do ambiente em que moravam, da família e dos afazeres, tão importantes quanto o trabalho executado pelo homem fora de casa, ficaria desamparada. Seria muito injusto. Nesse cenário, o homem poderia se casar com outra mulher e constituir nova família usufruindo dos bens conquistados com o esforço conjunto por parte de sua ex-companheira, enquanto ela deixou de trabalhar fora e, consequentemente, de construir o seu patrimônio individual. O oposto também é válido: o homem pode requerer parte do patrimônio conquistado pela esposa em determinadas situações. O que ocorre é que, na grande maioria dos casos, a prejudicada é a mulher.

 

Como comprovar a participação na construção do patrimônio?

Todo o casal sabe a importância de seus papeis no relacionamento. São formas de contribuição o suporte familiar, cuidado com a casa e os filhos, são jeitos de assegurar paz ao lar enquanto o companheiro (a) trabalha, por exemplo. A comprovação pode ser feita através de mensagens de texto, e-mails, testemunhas, fotografias, enfim existem diversos mecanismos de provas, razão pela qual a estratégia é traçada de forma individual, caso a caso.

 

 

 

Fonte: https://bit.ly/2H5E9EH

 

Entenda como funciona o contrato de namoro.

Precisando de auxílio? Envie seu caso que retornaremos o contato.

1 + 8 =

LEIA TAMBÉM

Casal separado tem “guarda compartilhada” de cachorro

Casal separado tem "guarda compartilhada" de cachorro Com a separação de seus donos, o buldogue francês Braddock vai ficar metade do mês em uma casa e outros 15 dias em outra. A posse alternada foi fixada em março pela Justiça do Rio de Janeiro...

Aposentadoria Especial dos Profissionais da Saúde

Aposentadoria Especial dos Profissionais da Saúde A Aposentadoria Especial é destinada aos profissionais que exercem atividades expostas a agentes nocivos, que ao longo do tempo, podem causar prejuízo à saúde. Por isso, o tempo de serviço dessa...

Assine nossa newsletter

[]
1 Step 1
Nome
keyboard_arrow_leftPrevious
Nextkeyboard_arrow_right
FormCraft - WordPress form builder